Santa Catarina

Projeto quer fortalecer atuação de catadores e apoiar reciclagem em SC

Iniciativa pretende incentivar a ampliação da atuação de cooperativas de materiais recicláveis, fortalecendo e valorizando catadores

06/12/2017 14h49 - Por: Izaque Corvalan

Valduga, quando ainda era diretor do projeto Verde Vida, em Chapecó, sobre reciclagem e cidadania. (Foto e informações: Assessoria de Imprensa) Valduga, quando ainda era diretor do projeto Verde Vida, em Chapecó, sobre reciclagem e cidadania. (Foto e informações: Assessoria de Imprensa)

Florianópolis – começou a tramitar na Assembleia Legislativa a proposta de criação do Programa Estadual de Incentivo aos Serviços Ambientais de Reciclagem (Prosar), de autoria do deputado Cesar Valduga (PCdoB), que propõe apoiar empreendimentos econômico-solidários formados por catadores e catadoras de materiais recicláveis.

A iniciativa foi apresentada durante a sessão de quarta-feira (6), que tem como objetivo a economia de recursos naturais, redução de impactos ambientais, redução de custos para o setor público, criação de postos de trabalho e renda, organização de catadores e catadoras, além da melhoria no padrão de produtividade e eficiência dos empreendimentos. "Além de gerar emprego e renda para as famílias, eles ajudam o meio ambiente", explicou Valduga.

Tem como princípio, a participação voluntária de cooperativas de catadores constituídas, o pagamento, de acordo com a tonelagem, tendo como base de cálculo os preços mínimos estabelecidos anualmente pelo poder público estadual.

Uma tonelada de papel reciclado, por exemplo, economiza 10 mil litros de água e evita o corte de 17 árvores adultas, segundo informações do ministério do meio ambiente. Em Santa Catarina, 15% dos municípios têm associações de reciclagem, e em 57% das cidades, há catadores trabalhando. Uma garrafa pet leva ao menos 100 anos para se decompor. Ainda assim, 49% das garrafas consumidas no Brasil vão parar em lixões. Outros 51% destas garrafas movimentam o setor da reciclagem, que corresponde a R$ 1 bilhão por ano no país.