Quarta, 20 de setembro de 201720/9/2017
Céu limpo
15º
17º
31º
Chapeco - SC
dólar R$ 3,13
euro R$ 3,76
Farmácias São Rafael
SAÚDE
Zika custou 4,6 bilhões de dólares ao Brasil nos últimos dois anos, diz ONU
Primeiro documento sobre impacto econômico do zika informa ainda que custo a longo prazo do vírus no País pode chegar a US$ 10 bilhões.
Janaina Chagas Chapecó - SC
Postada em 15/08/2017 ás 13h19
Zika custou 4,6 bilhões de dólares ao Brasil nos últimos dois anos, diz ONU

Custo do tratamento de cada criança com anomalias associadas ao zika pode chegar a US$ 890 mil, avaliou a ONU e o Ministério da Saúde (Foto: AP Photo/Felipe Dana)


Entre 2015 a 2017, o zika custou ao Brasil US$ 4,6 bilhões, o que representa 0,09% do PIB. Já a longo prazo, o custo das anomalias associadas ao vírus poderá chegar a US$ 10 bilhões. Os dados são do primeiro relatório sobre a avaliação socioeconômica do zika lançado em Brasília nesta terça-feira (15).



A ONU aponta que o custo do tratamento de cada criança com microcefalia associada ao zika ao longo da vida pode chegar a US$ 890 mil. Até o momento, 48 países confirmaram casos do vírus. O maior número de infecções nos países foi registrado durante o ano de 2016. Neste ano, houve queda.



Ainda, a estimativa das Nações Unidas é que o impacto socioeconômico da doença na América Latina e Caribe chegue a R$ 18 bilhões de dólares – aproximadamente R$ 56 bilhões.
“O zika se assemelha à mobilização durante a epidemia de ebola na África. Tivemos uma geração de crianças infectadas”, afirma João Paulo Toledo, diretor da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde.
Representante da Organização Panamericana de Saúde, Joaquin Molina explica que o Brasil se articulou para identificar a síndrome e ainda será importante para a busca de respostas.



“O Brasil é hoje e vai ser possivelmente o país mais importante para ajudar a responder as perguntas que ainda temos”, disse Molina.
O relatório, elaborado pelas Organização das Nações Unidas e pelo Ministério da Saúde, analisou o impacto causado pela doença no Brasil, Colômbia e Suriname desde 2015, quando o vírus zika começou a se espalhar.
Preparado por especialistas, pesquisadores, organizações de saúde e universidades internacionais, os valores foram calculados com base em avaliação de impacto do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e da Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (FICV).  



Impacto será significativo
O relatório concluiu que haverá impacto socioeconômico significativo nos países afetados a curto e longo prazo. As perdas devem ser sentidas no Produto Interno Bruto dos países, bem como as consequências poderão ser sentidas no desenvolvimento social, podendo até “desacelerar” o avanço nos objetivos de desenvolvimento sustentável, como avalia a ONU.
O zika afeta os países mais pobres da América Latina e Caribe em escala desproporcional, por mais que os governos tenham se esforçado para controlar a disseminação da doença. Entre as dificuldades enfrentadas, o documento aponta a “modesta capacidade em sistemas de vigilância e diagnóstico e em esforços de prevenção”.
A desigualdade na cobertura da saúde também contribui para que a parcela mais pobre da população fique mais vulnerável.



Situação grave no Caribe
O Caribe é a região mais afetada com o problema. O impacto no local é cinco vezes maior que em toda a América Latina. Estima-se que o país tenha perdido aproximadamente R$ 28 bilhões em três anos, devido à redução no turismo interacional. No Brasil, os custos devem ser maiores, embora o impacto geral seja sentido com mais intensidade nos países mais pobres.
O relatório conclui que as estratégias locais e nacionais dos países precisam ser fortalecidas no combate à doença. De acordo com a ONU, os governos devem estar prontos para reagir em casos de doenças que podem ser transmitidas com rapidez. Outra recomendação é o controle do mosquito transmissor de forma “integrada e multissetorial”.
Programas de proteção e sistemas de saúde também devem ser reforçados e adaptados para atingir as vítimas da doença, o que inclui mulheres, crianças e pessoas com necessidades especiais.



“O desafio que a gente tem é avaliar os danos causados pelo zika e suas consequências, seja do ponto de vista social, econômico ou do impacto no sistema de saúde”, disse Alberto Beltrame, secretário executivo do Ministério do Planejamento.


FONTE: G1

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
imprimir
108
© Copyright 2017 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium